20/10/14

JEANNE MOREAU ao som de Miles Davis


"Ascenseur pour l'Echafaud", de Louis Malle, 1958.

17/10/14

O que é que podemos comprar com 0,0064€?

Nada, dirão os mais afoitos e/ou os pretensamente mais informados.
Enganam-se.
Podemos comprar 1 acção do BANIF.
O tal banco que na prática é detido pelo Estado.
É uma gota de água comparado com o caso BES, mas é impressão minha ou também é mais dinheiro a voar?
Curioso é ninguém falar do caso.
Já agora e para aqueles que ainda falam em escudos recordo que 0,0064€ (ou seja 6 milésimos do euro!!) equivalem a 1,28 escudos!!
Isto vai acabar mal, para os cidadãos que não para os detentores do capital, esses já trataram da vidinha.

16/10/14

Facturas com NIF

Eu até nem sou um gajo muito desconfiado, apenas o bastante.
Já andei pelo mundo, agora estou mais sedentário aqui pelo meu adoptado Alentejo.
E não me lembro de na estranja ver esta  fobia de a factura levar o NIF.
Em Paris ainda me lembro de "facturas" de restaurantes passadas em papel de bloco e com o carimbo do estabelecimento.
E num "Bed & Breakfast" em Wivenhoe (Inglaterra) a factura (manual) não previa a indicação de nenhum NIF ou similar.
Estou de acordo com o combate à evasão fiscal e a maioria das medidas tomadas ao longo dos últimos 10 anos vão no bom sentido.
Mas quando a dose começa a ser excessiva, desconfio. Até porque não percebo como é que algumas delas combatem a evasão fiscal.
Senão vejamos: 
- num supermercado a factura é sempre emitida e comunicada às finanças. Qual a vantagem de lá colocar o meu NIF? Diz, agora, o governo (?) que vou beneficiar de eventuais deduções no IRS (isto depois de ter reduzido as com despesas de educação e saúde);
- e num hotel não se passará o mesmo?
Para aqueles que dirão que não é certo que o supermercado ou o hotel comuniquem as facturas ao fisco, eu direi: "Além de ser pouco provável devido aos actuais procedimentos, o fisco que trate do assunto, fiscalizando e não fazendo de cada cidadão um polícia". Nós já pagamos mais do que o suficiente para fazerem o respectivo trabalho.
Eu, que até já li o "1984" há muitos anos estou a pensar relê-lo.
É que a máquina fiscal (ou melhor policial) instalada passa a saber onde comi (e o que comi), em que hotel passei o fim de semana e ainda as minhas compras semanais no supermercado. Nada que me preocupe em demasia, porque vou pouco a restaurantes e não durmo em hotéis...e no supermercado não compro nada que não se possa saber.
A questão é outra:
- é que o fisco fica a saber todas (ou quase) as minhas despesas. E se um belo dia resolve cruzá-las com os meus rendimentos? Se calhar passa cá em casa para saber o que se passa.

13/10/14