23/12/07

"É um dever viver depois de Auschwitz"




É o que diz Imre Kertész numa entrevista ao suplemento "Domingo" do "El País" de hoje, a ler aqui.
Sobre a memória e como tratar temas do passado conta esta anedota húngara :
" Havia um poeta que escreveu um poema maravilhoso que foi traduzido em vários idiomas. De um desses idiomas voltou-se a traduzi-lo para húngaro e já não tinha nada a ver com o poema original."

1 comentário:

particula-RG disse...

Cá estamos!