17/04/08

SIRVOZELO , aldeia transmontana com direito a editorial

" De Sirvozelo ao Terreiro do Paço, viagem na História " é o título do editorial de José Manuel Fernandes , no "Público" de hoje. (Não disponível para linkar)
Não sei se o Manuel Afonso e a Soledade Gonçalves já leram o editorial, mas já telefonei ao filho mais novo , o Artur ( que vive e trabalha em Lisboa ), a dar-lhe a novidade. Já os conheço vai para 20 anos e Sirvozelo também. E não se pode falar de Sirvozelo sem falar das pessoas. Ver Sirvozelo como José Manuel Fernandes vê, pode servir como uma metáfora sobre os males de Portugal mas é limitadora de uma realidade humana que ultrapassa o simplismo de JMF quando conclui o artigo dizendo : " O destino de Sirvozelo, hoje mais limpa e arranjadinha, mas vazia e sem futuro, continua a ser uma metáfora do país. A que a leitura de uma belíssima reportagem nos permitiu regressar."
Sirvozelo pode estar mais vazia e sem futuro mas o mesmo não se passa com os seus filhos. Não gostaria de "devassar" a vida de pessoas que conheço e estimo mas não resisto a transcrever parte de um mail que recebi ( por causa do editorial do JMF ) de alguém que passou pela primeira vez um Natal ( o de 2007 ) em Sivozelo, comigo e família, na casa de um dos filhos do Manel e da Soledade :
" ...os que lá vivem criaram riqueza e abraçaram a modernidade preservando a tradição. A casa onde jantei, apesar de manter a traça característica da aldeia, era o exemplo do sucesso e não a casa de quem havia perdido uma oportunidade. Os filhos têm os seus negócios, muito bem sucedidos por sinal. Os netos estudam e os prémios de melhor aluno enchem as mobílias do quarto de um deles. Outros estão na universidade. Nem tudo está na mesma, apesar das vacas continuarem a pastar. Será esse o problema? "
A história das aldeias não é só a das suas casas ( vazias ou com muitas pessoas ) mas é também a dos seus habitantes, dos que lá ficaram e dos que de lá partiram. O Manel e a Soledade, de certeza que estão orgulhosos do que vêem porque mesmo vivendo para além dos montes são mais sábios do que muitos editorialistas.

6 comentários:

Anónimo disse...

belo texto muito bem escrito
eu e o pedro lemos enao poderiamos estar mais de acordo

maria do ceu

Galeota disse...

Apoiado!

Kagahn disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
António P. disse...

Entrei para eliminar comentário anterior que deve ser um virus

expressodalinha disse...

Nunca lá cheguei a ir. Quando estava marcada a viagem foi na altura da operação do Bob. Gostei do texto e dos sentimentos expressos. Abraço.

tintin disse...

Não são os montes que nos toldam a visão.