07/03/11

De desenrascados a enrascados e a caminho de não terem tomates

Em tempos, não muito longínquos, foram uns desenrascados.
No início dos anos lectivos organizaram semanas de recepção ao caloiro. Humilhavam em privado e em público os novos colegas ( sem ofensa às p**as ). Chateavam os restantes cidadãos. Vestiam-se de parvos. Mas ainda havia o ano lectivo todo para mostarem como eram desenrascados. E vai daí toca de irem à neve na altura dela. Excursões para as Serras Nervadas, Baqueras, etc...advinhem quem pagava. Os idiotas dos pais.
 Lá para o fim do ano lectivo é tempo de Queima das Fitas e toca de vê-los mascarados de estudantes do século XIX e irem à missa com a benção da padralhada, isto na ressaca das festas abrilhantadas pelo pai dos "Homens na luta "...o grande Quim Barreiros.
No fim do curso ainda houve tempo para conhecer outros mundos. Grande programa o Erasmus. Viram mundo ... mas não aprenderam nada.
Mas a festa ainda não acabou. Com a conclusão do curso universitário sai uma viagem de finalistas para o freguês do canto... Ao Algrave ? Não... ao México, a Cuba, etc. E outra vez os idiotas dos pais a pagarem.
Agora que os estudos acabaram, os desenrascados passaram a enrasacados e sentados à frente dos seus computadores e usando os seus i-phones utilizam as chamadas redes sociais para chorarem e dizerem que a culpa é dos paizinhos. E então toca de irem todos chorar para a Avenida da Liberdade, em Lisboa. E no meio das lágrimas toca de insultar os pais, os políticos e tudo o que lhes vier à cabeça. Graça é ver alguns políticos juntaram-se ao maralhal. Ai Francisco Louçã estás velho. Ou terás sido sempre um velho ? O Jerónimo e o seu querubim Bernardino ainda percebo e até têm a sede na avenida. Sabem muito , o Trotsky que o diga.
E é aqui que mostram que além de enrascados estão a ficar desmemorizados.
Esquecem-se que muitos dos pais, não todos que isso de gerações heróicas e não heróicas foi coisa que nunca existiu ( no meu tempo do Técnico, nos anos 70 , houve quem fizesse greve e houve fura-greves ) lutaram para que vivessemos em democracia.
Além de que, e aqui arrisco-me a dizer que foram todos, os pais investiram nos estudos dos filhos para que muitos não fossem analfabetos como eles tinham sido.
E agora alguns desses pais , no fim de uma carreira profissional, debatem-se com dificuldades que não imaginavam e ainda por cima são insultados. Muitos estão à rasca, mas têm o pudor de não chorarem e vão à luta para se virarem que isso de estar á rasca não é algo que se partilhe em rebanhos de cordeiros guardados por imbecis que aos 30 anos estão mais velhos que os Velhos do Restelo e pior não têm tomates.

5 comentários:

Luis Santarém disse...

É realmente de uma falta de respeito.

Falta de memória, falta de vergonha.

Geração rasca é o que é !

Carneirada de velhos, com cara de 'novos' que não honram o esforço da egrégia casta lusitana, os Dias Loureiro's, os Catroga's, os Armandos Vara's, que tão despojadamente têm lutado e deveriam ser exemplos para eles.

Abraço.

António P. disse...

Abraços , Luis
mas quem são esses Catrogas, Varsa, etc...?
não te lembras de outros ?
E depois há aqueles que não aparecem nos telejornais mas fazem o pais funcionar todos os dias.

Galeota disse...

Utilizam uma linguagem demagógica.Há quem goste muito destas "festas" que podem originar actos de grande irresponsabilidade.
Alguns nem sonham o que é estar enrascado...

Anónimo disse...

Falta de nivel, é o minimo q. se pode dizer...

expressodalinha disse...

Concordo na generalidade. Só acho que tem de reagir. E às vezes os movimentos precisam de um detonador.