17/11/08

Radicalismo pequeno burguês

...seria o que alguns, que hoje apoiam as exigências dos professores, chamariam à incapacidade sindical de procurar um acordo. Ou antes de rasgarem Memorandos de Entendimento assinados há 6 meses com o Ministério da Educação. E o tom de ameaça aumenta. Sentamo-nos à mesa das negociações, com uma "pequena condição" : a avaliação ( esta, acrescentam muito ladinos ) tem que ser suspensa. Senão... atenção que não damos notas às criancinhas. Que tanto amamos , acrescento eu.
A radicalização é fácil para quem sabe que o despedimento é impossivel.
Veja-se o contraste com os sectores operários que vão começar a estar sobre pressão ( o sector automóvel, por exemplo ). Aqui sabem que a ausência de um acordo pode significar a perca de empregos. E isso são dificuldades sérias. Não são preenchimentos de fichas de avaliação. Aqui não vamos ver Mários Nogueiras.
Já agora uma sugestão aos sindicatos de professores. Nos dias de greve que estão para aí marcados assumam o compromisso público de revelar não o número de professores que não foram às escolas mas o número de professores que declararam greve e consequentemente perderão o dia ( ou dias ) de salário.
Continuarão pequeno burgueses mas revelarão que ainda têm espinha dorsal.

3 comentários:

Al Kantara disse...

Caro António, talvez seja injusto que a classe dos professores não sinta na pele a pressão do tudo ou nada que os operários do sector automóvel já sentem há anos para aceitarem as condições que o patronato decide impor. Mas não estás a sugerir que em caso de "desobediência" - que é já o termo que esta ministra usa para se referir ao assunto - os professores sejam despedidos. Ou estás ?!

PS - Pois olha que eu sugiro que uma ministra que conduz esta questão da forma desastrosa, arrogante, prepotente, autista e autoritária como o tem feito tem sabido abrir caminho para a "desobediência" generalizada dos professores que irá culminar com o seu (da ministra, entenda-se...) despedimento. Ah, e deixa lá isso dos pequeno-burgueses. No fundo, vai-se a ver, e ainda são eles que decidem eleições...

Galeota disse...

" Fly me to the moon".

António P. disse...

Caro Al-kantara,
Eu não estou a sugerir nada apenas estous a contactar factos.
Quanto aos adjectivos és tu que os usas para a ministra eu não adjectivei apenas constato o que outros em tempos disseram : é um sector pequeno-burguês.
Abraço